Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

fragilidades

O que não te mata…

O QUE NÃO TE MATA…

“O que não te mata te fortalece”

Afirma o dito que ninguém esquece

Ou será que apenas te entorpece

E o medo sempre prevalece

Escondido para não parecer que enlouquece?

Na luta de fracos e fortes que se estabelece

Quem vence: aquele que não esmorece

Ou ao menos a todos parece

Que sua alma não se enfraquece

E, apesar de tudo, o coração não endurece?

Será mesmo que carece

Sustentar algo que por muito pouco se esvanece

No claustro frio e escuro que te enrijece

Quando na verdade tudo que te apetece

Seria uma vida simples e iluminada que sempre amanhece?

De que vale se para os outros a força é algo que enriquece

Se para você a cada vez que anoitece

Mais e mais essa força sua alegria apodrece?

Não percebem que o que na verdade te rejuvenesce

E tudo que precisa, e seu sorriso resplandece

É apenas de um abraço forte e verdadeiro que te aquece?

Alda M S Santos

Sangrando

SANGRANDO

Tão bela, tão delicada, tão perfumada

Singela, encantadora, frágil

Frágil? Às vezes!

Sabe se defender, tem espinhos, fere

Resiste às tempestades constantes

Perde folhas, galhos, flores, para manter a raiz

Assim são as roseiras, assim são as pessoas…

A diferença é que elas não ferem a si mesmas

Humanos ferem-se com os próprios espinhos

Se atrapalham, se automutilam, confundem-se

Machucam seus amigos, quem lhes quer bem,

Afastam o essencial, sangram…

Sangrando buscam um caminho menos nebuloso, menos árido

Mais aconchegante, tranquilo, pacífico, alegre

Para colorir, florir, encantar, viver, amar…

Alda M S Santos

Estruturas frágeis

ESTRUTURAS FRÁGEIS

Nem todo mal, dano ou dificuldade

Daqueles que abalam as nossas vidas

Devastam tudo, destroem, “roubam” o que temos de mais valioso

Chegam de uma só vez, como uma tragédia da natureza

Derrubando tudo como furacões ou tsunamis

Muito do que abala nossa estrutura física, mental, emocional

Chega devagarzinho, vai dando pequenos sinais

Nem por isso o mal é menor ou menos doloroso

Como um vazamento subterrâneo de água

Ou um formigueiro que cria buracos no solo

Que, se não interrompido a tempo, derruba uma casa inteira, uma via pública, uma cidade

Aparecem trincas, ignoradas, afundamentos, não percebidos

Abalos sísmicos, não considerados…

O físico, a mente, as emoções também dão sinais quando nossas estruturas internas estão em risco

Dores, febres, esquecimentos, angústias, tristezas excessivas

Sono que não passa ou insônia constante

Insatisfação com tudo, falta de estímulo, desânimo, vícios

Tudo precisa ser considerado para manter firmes nossas estruturas

Somos um prédio com várias conexões interligadas e interdependentes

Muitas vezes com outras estruturas de outros prédios dependentes de nós

Uma delas que falha pode comprometer e ruir tudo

E tornar difícil ou impossível a recuperação

Ao vermos um belo prédio não enxergamos a estrutura que o sustenta

Se está suficientemente forte ou cheia de trincas

Ou se apenas um sopro pode derrubá-lo

Pois talvez o mal esteja comprometendo justamente a percepção dos sinais, do perigo que nos ronda

E costumamos enxergar melhor falhas nos outros que em nós mesmos

Saibamos cuidar de nós mesmos e, melhor ainda, identificarmos isso nos outros

Assim, evitamos criar rachaduras comprometedoras nas estruturas alheias..

Alda M S Santos

Raiz exposta

RAIZ EXPOSTA

Nevrálgica é a dor daquela raiz exposta

Onde sempre estavam tão bem escondidas nossas inadequações, tormentos

Cobertos pela terra existencial, pelos ajeitamentos, por vezes, inoportunos

Nas raízes estão nossas reservas, nosso alimento, nossa força, nosso interior

Também ficam ali nossas fantasias, medos, lamúrias, angústias, fraquezas

Raiz exposta assusta, machuca, fragiliza

É nudez que não se cobre com tecidos, necessário se faz o cobertor do amor

Impera criar espaços para agregar novos valores

Urge auscultar o próprio coração, socorrê-lo nas arritmias

Acreditar que nossa inteireza só se completa

Quando nos aceitamos como incompletos

Tantas vezes nos sentimos inadequados em nossa nudez, impróprios, feios

Exposição que assusta mais a nós mesmos

Crescemos quando enfrentamos nossa história pregressa que ali se impõe

E, mesmo nus, abraçamos nossos joelhos com carinho

E passamos a não ter mais tanto medo de raízes expostas…

Alda M S Santos

Fragilidades

FRAGILIDADES

Ser frágil é a coisa mais fácil do mundo, mais humana, mais dolorosa

Mostrar-se frágil, aparentar fraqueza, por sua vez, a mais difícil

Transparecer fragilidade, impotência, pedir ajuda

Estender a mão, gritar por socorro, chorar, necessitar

Demonstram um fracasso que não ousamos admitir

Mostrar-se necessitado exige uma força sobre-humana, uma certa humildade, pureza de coração

Que poucos possuímos, e quase nunca conseguimos obter, alcançar

Não combinam com o orgulho e vaidade que gostamos de ostentar

Pouquíssimos conseguem acessar esses nossos recônditos frágeis

Quem consegue, não é por ser forte, mas por também ser frágil e se reconhecer no outro.

Assim, fechados em nós mesmos, sepultando fraquezas e lágrimas

Aumentamos dia a dia nossas fragilidades, nossos medos

Muitas vezes, a força estando a um abraço de distância…

Alda M S Santos

Fragilidades

FRAGILIDADES

As fraquezas fazem parte do ser humano. Todos nós temos. Cada qual reconhece as suas, identifica os sinais anteriores, de fragilidade, entrega, e posteriores, de insatisfação e culpa. 

Negá-las é perda de tempo. Reconhecê-las, aceitá-las é o primeiro passo para identificar a melhor arma e munição para lutar contra elas.

Quem se considera infalível já está vencido.

 Se vencermos nossas próprias fraquezas, fragilidades, nossos monstros interiores, os exteriores encontrarão em nós um adversário à altura. 

Esse é o começo da força e do sucesso e alegria, quer seja profissional, pessoal, emocional ou espiritual.

Alda M S Santos 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: