Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

caminho

No meio do caminho

NO MEIO DO CAMINHO

No meio do caminho
Tinha buracos, tinha espinhos
Tinha amigos, tinha amores
Tinha poeira, tinha carinhos
E tinha você…

No meio do caminho
Tinha pedras, tinha árvores
Tinha rampas, tinha escadas
Tinha trabalho, tinha preguiça
E tinha você …

No meio do caminho
Tinha aviso, tinha perigo
Tinha desamparo, tinha abrigo
Tinha gritos, tinha silêncio
E tinha você …

No meio do caminho
Tinha sol, tinha chuva
Tinha luz, tinha escuridão
Tinha desânimo, tinha perseverança
E tinha você…

No meio do caminho
Tinha dor, tinha ansiedade
Tinha sorrisos, tinha lágrimas
Tinha medos, tinha afinidade
E tinha você…

Mas no meio do caminho
Tinha o mundo todo perfeito
De belas escolhas recheado
Da saudade acompanhado
Mas era insignificante, pois não tinha você!

Qualquer caminho só será bonito
Se tiver você!
Valorize-se!

Alda M S Santos

Sempre a luz

SEMPRE A LUZ

Ora em tons de verde, florido, claro, quentinho

Ora cinzento, frio, escuro, fosco, triste

Mas a luz está sempre lá…

Quantas pegadas foram deixadas para trás

Quanto há dessa estrada a percorrer

Mais, menos… não sabemos

Mas a luz está sempre lá…a chamar

Quantas vezes quisemos voltar, parar, seguir

Sorrir, chorar, gritar, silenciar

Pular partes, sentar, desistir

Vencer tudo de uma vez só

Mas a luz estava sempre lá…a nos chamar

Vamos construindo passo a passo esse caminho

Lentamente, apressadamente, andando ou correndo

Mas a luz está sempre lá…

Sentimentos se alternando em nós, humanamente

Bem acompanhados, muitas vezes, agradecidos

Solitários e meio desamparados em outras, descrentes

Mas a luz está sempre lá…

Ela é nossa bússola, nosso guia

Aquela que nos traz de volta aos trilhos

Nas vezes em que, por imperícia, descarrilhamos

Ela é nosso objetivo

Sempre a luz…

Sempre a busca incessante pela luz

É ela que nos fortalece e anima

Quanto falta? Não sei…

Sei que sigo a minha Luz…

Alda M S Santos

Farol de bondade

FAROL DE BONDADE

Em meio a tantos caminhos confusos, trilhos quebrados, vagões desconectados

Sempre aparecerá uma placa, uma bússola, um sinal indicando a direção

Em meio a tantas dúvidas e inquietações

Sempre haverá um alguém a dizer boas e sábias palavras, estimulando a reflexão

Em meio a tantas exclusões, preconceitos e mania de superioridade

Sempre surgirá um abraço acolhedor, fraterno, irmão

Em meio a tanto desamor e individualismo

Sempre haverá alguém a nos amar acima de tudo, ser o anjo protetor do nosso coração

Em meio a tantos túneis escuros e repletos de maldade

Sempre haverá um farol de bondade e esperança, ainda que na contramão

Para todos aqueles que, de enxergar o lado bom da vida, não abrem mão…

Alda M S Santos

Farol

FAROL

Luz forte no alto de uma torre na escuridão total

Serviam de guia, de alerta, de aviso aos navegadores solitários

Desviavam navios de perigos vindos de montes de terra que irrompiam em alto mar

E poderiam fazê-los perecer

Fachos de luzes intermitentes, potentes, constantes, brilhantes

Refletidas a longas distâncias

Mas nem toda luz livra do perigo ou do mal

Até mesmo os faróis tiveram os seus “afundadores”

Aqueles que se passavam por alertas do bem

Quando na verdade era luz falsa que emitiam

Para atrair navios para zonas perigosas e saqueá-los

Cacos de vidro se passando por diamantes

Até mesmo a luz pode enganar, pode cegar

Podemos muitas vezes enxergar melhor em exígua luz

Ou até mesmo na escuridão em que a vista se acostumou

Do que numa forte luz enganosa…

A luz que vem de dentro é a que ilumina verdadeiramente!

Alda M S Santos

Flores no caminho

FLORES NO CAMINHO

São flores, doces, lindas, coloridas

Enfeitam, perfumam, ocupam todos os espaços possíveis

Alegram os caminhos nem sempre fáceis ou justos

São vida!

Pelo olhar adentram a alma, invadem recônditos escuros

Deixam uma suave fragrância de vida onde passam

Abrem um sorriso iluminado onde tocam, em quem presenteiam

Fazem minar nos olhos gotas brilhantes como orvalho

Mas também precisam ser podadas, cortadas

Ou podem sufocar tudo a sua volta, matar por asfixia

A sabedoria consiste em identificar o momento certo da poda

E o quanto é possível cortar sem matar

E seguir o caminho …

Na esperança de novo broto, mais forte e mais bonito

Nos ciclos vitais da natureza que brotam dentro de nós

A primavera vem mais bonita para quem soube apreciar o inverno

Não somente tolerá-lo!

Alda M S Santos

Sem plano de voo

SEM PLANO DE VOO

Na escuridão da noite que chega lentamente

Ela se despede temporariamente do sol

Tenta encontrar novas luzes brilhantes

Reacender outras já meio apagadas

Um vagalume que aparece meio receoso, certo de seu caminho

Mesmo sem plano de voo

Vênus que se apresenta radiante ao longe no céu

A Lua, orgulhosa e bela, que inspira os amantes

Mas também, solidária, acolhe os solitários

Quase pode ouvir o som de cada estrela que brilha no firmamento

Concentra-se nos sons diferentes do anoitecer

Esfria, abraça a si mesma se aquecendo

Fecha os olhos e, como os cegos, vê com o olfato, com a audição

Enxerga as doces lembranças guardadas na escuridão dentro de si, revive

Como vagalume, está acostumada a acender-se e enxergar a vida no escuro

Inspira fundo, expira, respira, suspira

Tenta não pirar…

Segue…não há necessidade de plano de voo

O destino é um só, o caminho a gente cria

Sabe que a luz é mais valiosa onde antes foi escuridão…

Alda M S Santos

Cais

CAIS
Toda embarcação, grande ou pequena, de carga ou passageiros, de trabalho ou passeio, necessita de cais. Um local em que possa atracar, aportar para carregar ou descarregar mercadorias ou passageiros, abastecer, realizar reparos, ou, simplesmente, descansar entre uma jornada e outra. As embarcações não foram feitas para viver atracadas todo o tempo, precisam sair da costa, enfrentar o mar, buscar novos ventos, cumprir sua jornada. Elas saem mais seguras quando têm o cais para retornar. A certeza de um porto que é seguro e confiável.
Nós somos como as embarcações. Estamos sempre em alto-mar: nossa vida, nossa jornada. Podemos, muitas vezes, navegar tranquilamente, baixar as velas, lançar âncora, relaxar. Porém, vezes sem conta enfrentaremos tempestades, ventos contrários, o breu da noite, icebergs, maremotos. Nessas horas, precisamos de nosso cais. Mas, e se ele estiver inacessível, distante, danificado ou ocupado? Perdemos o norte, navegamos sem rumo, arriscamos a causar danos à própria estrutura ou perda de carga.
Visando a auto-preservação, necessário é que tenhamos vários cais. Não podemos apostar todas as nossas fichas num único dado. Se tivermos um cais em cada porto, em qualquer lugar que estivermos, sejam quais forem os danos sofridos, teremos o conforto do cais para atracar.
Há pessoas que dizem “não vivo sem fulano, ele é minha vida”! Isso é ter um único cais. Além do risco de sobrecarga do cais, pode-se perdê-lo por um motivo qualquer alheio à nossa vontade. Aí, estaremos à deriva!
Não estou pregando a autossuficiência. Nós, seres humanos, nunca o seremos. Como seres gregários, precisamos uns dos outros, todo o tempo, uns mais, outros menos. O que acredito, e em que aposto, é que precisamos, além de ser cais para os outros, buscarmos vários cais para nós mesmos. Não é preciso tantos. Qualidade aqui vale mais que quantidade. Alguns cais são óbvios: familiares, cônjuges, alguns amigos. Há ainda aqueles cais que abandonamos, nos esquecemos e que, numa hora de sufoco, nos atracamos nele e percebemos que nunca deveríamos tê-lo relegado. Dependendo de onde estivermos, do que estejamos precisando, escolhemos o cais mais adequado. O que possibilita um descanso, uma vista maravilhosa, uma palavra sábia, um ombro para chorar, uma recarga de energia, uma descarga de maus fluidos, enfim, para cada necessidade, um cais diferente.
Ter vários cais nos dá mais segurança, a quase certeza de que não estaremos sós. Quase! A qualquer hora o cais que acreditávamos possuir pode falhar, não estar disponível ou danificado. Nossa mãe, cais mais confiável, pode adoecer ou falecer, o cônjuge, pode não ser o mais indicado no momento, os amigos, estarem ocupados demais…
Muitas vezes, só poderemos contar com dois deles: nós mesmos e Deus. Teremos que saber acioná-los. Deus estará sempre a postos e nos indicará a nós mesmos. Precisamos ativar nossas reservas, necessitamos de autoabastecimento, de um gerador próprio de energia até encontrarmos outro cais.
Sempre teremos o cais preferido, aquele em cuja presença sorrimos, e cuja falta nos leva às lágrimas. Aquele no qual nos encaixamos perfeitamente, que supre nossas necessidades maravilhosamente, nos enriquece, abastece, dá brilho, renova as forças. Nunca devemos abandoná-lo, mas é preciso não esquecer que ele também é falível.
Finalmente, se um cais nos mantiver atracados por tempo demais há algo de errado com ele ou conosco. Não devemos nos esquecer que nossa essência é de navegantes.
Vamos recolher âncoras, içar velas, que mais uma jornada vai começar. Que tenhamos um mar mais calmo e vários portos com cais mais seguros. É o que precisamos, é o que desejamos!
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: