Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

amizades

Vícios do bem

VÍCIOS DO BEM

Encontrei uma amizade querida que há um tempo não via.

Um olhar meio ressabiado, sem saber como agir.

“Como vai você”?

“Tô indo”- “E a família?”

“Estamos bem! Como Deus manda!”

Nos afastamos, a amizade esfriou por problemas diversos, decepção, mágoa, muitas lágrimas derramadas.

Mas por longo tempo nossas vidas caminharam juntas, parceiras, amigas, necessárias.

Um abraço apertado, gostoso, perfumado…

Conversamos um pouco, meio sem jeito, lembranças…

Creio que foi recíproco, aquele olhar investigador, penetrante, nos olhos.

Amizades e amores verdadeiros são como vícios!

Pode-se ficar muito tempo longe, a dependência ser mais tolerada, as crises de abstinência quase superadas,

Mas basta um simples “trago”, “gole”, “encontro” para tudo recomeçar.

Nos despedimos…

Fui embora emocionada, coração apertado, para variar.

Novamente, pensei em que parte algo começou a dar errado.

Mas gostei tanto de reencontrá-la!

Nossos filhos brincaram juntos, cresceram, ela enviuvou, é avó…

Mesmo com tanta decepção o carinho ainda é imenso.

O perdão é característica base das amizades e amores sinceros.

Não gosto de tirar pessoas da minha vida!

Prometi a mim mesma ir até sua casa retomar de onde paramos,

Reaquecimento…nossas vidas são reflexos de nossas atitudes…

Amizades verdadeiras são únicas e eternas…

Alda M S Santos

Cultivando amizades

CULTIVANDO AMIZADES

Amava a terra, a natureza

Cuidar de sua horta, suas galinhas

Plantando árvores, colhendo frutas

Cultivando amizades, distribuindo simpatia

Sempre original com seu bigode e seu chapéu

Cuidadoso e carinhoso com os cachorros de “todo mundo”

Atencioso com todos, carinho sem igual com filhos e netos

Nosso moço da água, responsável, brincalhão

Pegando grama para ninhos das galinhas, matando cobras

Fazia parte daquele lugar

Descendo a rua a passear com a esposa

Subindo seu terreno ao lado do nosso

E sempre um cachorrinho atrás

Um bate papo atencioso com quem encontrava

Como só pessoas de lugares lindos e simples

E de almas grandiosas são capazes…

Foi chamado para cuidar de outras terras, do outro lado

Antônio dos Santos não será o mesmo lugar sem você

Se puder, apareça por lá vez ou outra…

Vá em paz, amigo Walmir!

Se Deus o levou, que possa amparar quem ficou!

ABRAÇOS CARINHOSOS DA FAMÍLIA SANTOS

Alda M S Santos

Bipolar

BIPOLAR
Ou o Sol que racha, ou o breu da noite,
Ou o amor que aquece, ou a tristeza que gela,
Ou a chuva torrencial, ou a seca que desidrata
Ou amizades que acalentam, ou inimigos que as ofuscam
Ou a fome desvairada, ou a anorexia bulímica
Ou gargalhadas contagiantes ou lágrimas tempestuosas.
E o coração sempre no mesmo polo, sempre cheio!
Ainda que pareça sair pela boca,
Ou estar tão apertado que pareça nada conter.
Antes bipolar e cheio de vida,
Que num constante polo de tristeza!
Alda M S Santos

Tá tudo bem?

TÁ TUDO BEM?
Quantas vezes ouvimos essa pergunta?
Quantas vezes a formulamos?
Praticamente 100% das vezes a resposta é: “sim, e você”?
Na maioria delas não passa de pro forme.
Quase nunca respondemos sinceramente.
Não nos dão, ou não damos tempo para uma resposta sincera.
Aquela que demandaria explicação, tempo, atenção, ouvidos, talvez ombros.
As palavras dizem uma coisa e os olhos dizem outra.
Mas quem tem tempo ou disposição para investigar, sequer perceber?
Os olhos dizem “não, estou no meu limite”, “não, estou muito down”!
“Não, preciso de ajuda”, “não, quero colo” ou “não, gostaria de sumir do mapa”.
Se realmente respondêssemos assim, qual seria a reação de nossos interlocutores?
Qual seria a nossa reação, se ouvíssemos respostas como essas?
Certo é que se a pessoa é amiga, próxima, íntima, nem precisaremos perguntar.
Basta notar suas ausências, seu silêncio, seu olhar.
Em todos esses casos, apenas um carinho, um abraço resolveria.
Ou ao menos amenizaria bastante o problema.
Queremos estar bem!
Alda M S Santos

Anjos

ANJOS

Parece que algumas pessoas estão previamente determinadas a fazer parte da vida umas das outras. 

Isso explicaria o porquê de algumas pessoas distantes serem mais próximas, importantes e necessárias do que outras com as quais convivemos horas e horas por dia.

Com essas nada há em comum, nada se sabe ou se quer saber delas. São dispensáveis!

Já aquelas, ahhh! 

Elas são como gotas de chuva numa tarde quente…

Um chá quente na noite fria…

Um raio de sol na janela ao despertar. 

Um luar para os amantes.

Um copo d’água que mata nossa sede.

Um abraço caloroso que aquece nossa alma e restaura nossas forças. 

São a prova do amor e cuidado de Deus! 

Ele sempre nos manda exatamente aquilo que precisamos.

São anjos disfarçados de gente.

Obrigada aos meus anjos de todos os dias! Por estarem sempre por perto. 

Eles sabem quem são, pois os agradeço incansavelmente. 

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: