Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

neblina

Névoa

NÉVOA

Caía uma névoa fininha

Daquelas que embaçam o tempo

Esfriam até nossos ossos

Da varanda, tomando uma xícara de café recém coado eu observava

Como a natureza tem a capacidade de atingir nossas emoções!

Quando fica assim sinto-me em outro mundo

Dizem que é o momento em que a tristeza e depressão têm seu auge

Tem-se a percepção de que a Terra parou…

Poucos passarinhos se arriscavam a sair de suas casas

A cigarra sossegou seu canto

Beija-flor aparecia e beijava mais rápido que o normal

Para logo se recolher e se aquecer

Parece que a ordem geral em suspense era: recolham-se!

Uns recolhiam-se para dentro de suas casas

Outros, para dentro de suas lembranças e emoções

Outros para os recônditos de suas almas inquietas

Muitos não achavam para onde se recolher

Perdidos…

Esses que costumam não achar o caminho de volta…

Gosto de tempo assim!

Saio admirando as flores molhadas

Os bichos recolhidos, as pessoas que passam apressadas

Ou aquelas que nem se importam com aquela névoa

Que insistia em atingir os ossos

Volto e vou acender o fogão à lenha

Aquecendo…

Alda M S Santos

Neblina

NEBLINA

Neblina: parece que o mundo sinaliza para a introspecção

Lá fora está tudo fechado e escuro

“Volte para dentro de si, encontre-se”!

“A luz que precisa acende-se primeiro em você”!

Olhamos lá fora, tentamos identificar algo

Mas nada tem nitidez, tudo é sombra

As flores gostam, abrem-se viçosas para o dia

Os passarinhos não se importam

Cantam, felizes! Têm luz própria!

Alguns de nós voltam para dentro e se encasulam

Outros, descem as escadas e enfrentam a neblina

“Neblina na serra, chuva na terra”

“Neblina baixa, sol que racha”

Independente da hora que for, sol ou chuva

A vida não espera por ninguém…

Alda M S Santos

Sombria

SOMBRIA
Como um dia sem sol, nublado e turvo
Em que muito pouco se vê à frente,
Nebulosidade externa e interna,
Às vezes, ficamos nós também:
Frios, carrancudos e nostálgicos.
Precisamos de abrigo, apoio, repouso, colo.
Mas, sempre, sempre, mais cedo ou mais tarde,
O Sol volta a brilhar,
Nova luz, intenso calor, nova vida.
E cada qual com seu encanto e magia.
Identificá-las e passar por elas sem grandes danos é sabedoria.
Alda M S Santos

E a Natureza chora…

E A NATUREZA CHORA…

Quando a Natureza parece chorar,

Mergulhada num cinza profundo, 

Fria, molhada, ventania, silêncio, outono,

Convida-nos à reflexão, ao recolhimento…

Mostra-nos que em toda estação há beleza,

Incita-nos a aproveitar as possibilidades de cada uma,

Acreditar que há um círculo girando, sempre

Escolhemos o que levar, o que deixar,

E que tudo passa, bom ou ruim,

Basta saber esperar!

Alda M S Santos

Divina

DIVINA 

Frio, neblina, mata, chuviscos,

Caminhada ao entardecer. 

Muitos definiriam a imagem como sinistra

Macabra, surreal, cabulosa, apocalíptica.

Vejo como inspiradora, acalentadora, reflexiva, mágica, 

Apaziguadora, divina, linda! 

Como me faz bem! 

Alda M S Santos 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: