Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

conversa

Senta aqui

SENTA AQUI
Senta aqui do meu lado, precisamos conversar
Quero falar de tudo que me alegra
De tudo que sinto falta
Da falta que você me faz
Daquilo que me faz chorar…
Senta aqui do meu lado, só nós dois
Quero jogar conversa fora, sorrir
Rir de mim mesma, da vida
Chorar pelos meus erros e falhas
Ouvir suas histórias e bons conselhos
Senta aqui do meu lado
Quero brincar, te contar casos
Quero dividir contigo o prazer de ter aqueles que amo
Ou as tristezas de não poder ser útil a tantos outros
Lamentar por aqueles que partiram
E que deixaram vazios e saudades
Senta aqui do meu lado
Conversar com você é vencer medos
É saber-me aceita mesmo com todas as minhas falhas
É sentir acolhimento e seu olhar de amor
É sorrir chorando, é chorar sorrindo
É olhar ao longe e enxergar dentro de mim mesma
É perceber que há muito ainda a viver
E saber que VOCÊ, como prometeu
Estará comigo até o fim dos tempos… Senta aqui, vamos conversar!
Alda M S Santos

Conversando

CONVERSANDO

Tão similares algumas conversas

Se feitas com intensidade e verdade

A conversa com nosso mentor que nos orienta

A conversa com nosso amor que nos acalma

A conversa com amigos leais que nos alertam

A conversa conosco mesmos que nos direcionam

Similares quando nos dispomos a ouvir realmente

A sentir Deus falando através deles

A meditação nada mais é que uma conversa conosco mesmos

Quando buscamos em nossa essência, em nosso mais íntimo

Deus falando em nós…

Através de tudo que Ele permite que esteja conosco

Dos nossos sucessos e fracassos

Sorrisos e lágrimas, ganhos e perdas

Deus fala conosco todo o tempo…

Cabe a nós a disposição para ouvir…

Alda M S Santos

Nos bancos da calçada

NOS BANCOS DA CALÇADA

Casinhas simples, receptividade gigante, janelas na divisa com a rua

Ao sabor do vento, do sol, da chuva

E dos olhares curiosos de quem passa…

Terreiros grandes que costumam dar num ribeirão

Muitas vezes com hortas, galinheiros, pomares, chiqueiros, cisternas…

Na calçada, banquinhos de todo tipo

Madeiras, troncos de árvores, tijolo, concreto, não importa

A prosa dos fins de tarde após a lida que eles possibilitam é que interessa

O tempo que virou, o filho que não apareceu, o netinho precisando benzer

As galinhas que pararam de botar, o Bingo da igreja,

A comadre que está ruim das vistas ou a teimosia do compadre

A filha que se formou, o neto que nasceu nos Estados Unidos e começou a andar

O prefeito que está envolvido em mais uma falcatrua ou corrupção

A sobrinha que foi para Belo Horizonte com o filhinho doente,

A Maria do João Neto que doou um bezerro para a rifa da festa de Nossa Senhora Aparecida…

Entre os estrepes dos pés e os estrepes da vida

Tudo é compartilhado nos bancos da calçada

E a vida se torna mais leve,

Numa boa prosa de fim de tarde olhando a rua,

Aguardando aquela visita ou telefonema que nem sempre chegam…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: