Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

doenças

Você está curado?

VOCÊ ESTÁ CURADO?
Se já não dói quando o tempo esfria
Se não muda de cor de acordo com as fases da Lua
Você está curado…
Se não fica febril ou não tosse mais
Se os espirros e coriza foram embora
Você está curado…
Se os pesadelos não mais te atormentam, os calafrios cessaram
Crises de pânico e tristeza passaram
Você está curado…
Se a cicatriz fechou, não mais sangra
Se as lembranças são apenas lembranças e não machucam mais
Você está curado…
Se não chora ao ouvir aquela música ou passear naquele jardim
Se um poema, um livro ou autor são apenas boa literatura
Você está curado…
Mas se a mágoa é maior do que a esperança
Se oferecer a si o perdão é mais difícil que a revolta
Ainda não curou…
Se as minhocas na cabeça ainda são assustadoras, incomodam
As borboletas ainda reviram o estômago
Ainda não curou…
Se só quer dormir ou sumir
Se se esconder é melhor que viver
Ainda não curou…
Mas se quer mesmo se curar
Física, mental ou emocionalmente
Escolha viver e os males enfrentar
A vida é receptiva aos que sabem lutar!
Alda M S Santos

Falso negativo ou positivo?

FALSO NEGATIVO OU POSITIVO?

O mundo agora está desse jeito
Há positivo, há negativo
Mas temos também além disso
Falso positivo, falso negativo
Como lidar com tudo isso?
Não dá mesmo para saber…
Ou negativo é que deveria ser?
Sei lá, preciso isso esclarecer
Se positivo ou se negativo
Vida obscura, parece castigo
Como devo ao certo proceder?
Pois se é falso positivo
Um negativo pode ser
Mas quando é falso negativo
Aí é positivo… quero nem ver!
Saudade do tempo em que sabia definir
Em cores, ou em preto e branco
Quando positivo era bom, negativo era ruim
E nao ficava à espera do porvir
Para saber como agir e seguir
No falso ou verdadeiro, negativo ou positivo
Há que se reagir, que loucura!
Você há de convir!

Alda M S Santos

Dissabor

DISSABOR

Um machucado, uma fratura, uma ferida que arde, sangra, queima

Fase aguda do mal, só analgésico forte para aliviar, é normal

Um aperto no coração, tristeza, mágoa, decepção

Fase aguda da dor, que fazer para sanar desilusão?

Machucado melhora com antisséptico, anti-inflamatório e antibióticos

Um curativo, uma tala, que por um tempo isola do meio externo aquilo que está em recuperação

E quando a dor está no coração, que fazer então?

Qual o remédio, dá pra isolar do mundo externo a emoção?

Não sei, mas é bom retirar-se do meio, afastar da multidão

Buscar o interior, sanar a dor, retirar da alma a cicatrização

Ferida é sempre ferida, dor é sempre dor

Seja física, mental, emocional é sempre um mal

Passamos primeiro pelo vendaval

Em seguida vem a calmaria, levantamento de perdas, bom sinal

E, lentamente, a cura, a reconstrução

Mas todo cuidado é pouco com o remédio que se usa

Tanto para o mal físico ou emocional

Não dá para criar vícios e dependências, seria fatal

Ou cria-se raiz para novo mal, com nova aparência

Mas tudo tem seu tempo…

Logo o que era ferida é descoberta para o mundo exterior

Fica a cicatriz, o aprendizado

O coração aprende a lidar com qualquer dissabor

É a cura… e a vida segue, de preferência, sem rancor…

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

Você está curado?

VOCÊ ESTÁ CURADO?

Se já não dói quando o tempo esfria

Se não muda de cor de acordo com as fases da Lua

Você está curado…

Se não fica febril ou não tosse mais

Se os espirros e coriza foram embora

Você está curado…

Se os pesadelos não mais te atormentam, os calafrios cessaram

Crises de pânico e tristeza passaram

Você está curado…

Se a cicatriz fechou, não mais sangra

Se as lembranças são apenas lembranças e não machucam mais

Você está curado…

Se não chora ao ouvir aquela música ou passear naquele jardim

Se um poema, um livro ou autor são apenas boa literatura

Você está curado…

Mas se a mágoa é maior do que a esperança

Se oferecer o perdão é mais difícil que a revolta

Ainda não curou…

Se as minhocas na cabeça ainda são assustadoras, incomodam

As borboletas ainda reviram o estômago

Ainda não curou…

Se só quer dormir ou sumir

Se se esconder é melhor que viver

Ainda não curou…

Mas se quer mesmo se curar

Física, mental ou emocionalmente

Escolha viver e os males enfrentar

A vida é receptiva aos que sabem lutar!

Alda M S Santos

Antídoto

ANTÍDOTO

Estar preparados, munidos de antídotos

Para quando a profilaxia não funcionar

E desencadear um mal em larga escala

Soro antiofídico contra picada de cobra

Fumacê contra aedes aegypti

Educação contra ignorância

Chá quente contra influenza

Bons argumentos contra má influência

Sorrisos largos contra rabugice

Família contra descrença e desamor

Amizade sincera contra solidão

Abraços ternos contra tristeza

Colo quente contra decepção

Fé e esperança contra desânimo e violência

Passeios contra o tédio e decadência

E amor, o antídoto universal

Contra todo e qualquer mal…

Alda M S Santos

Curas

CURAS

Como parte de qualquer cura

É preciso o desejo de curar-se

E o princípio básico do tratamento é identificar qual é o mal

Qual o vício, qual a fissura, a carência ou necessidade

Para qualquer doença há cura

Para cada mal, um modo de combatê-lo

Mas para todos eles é preciso querer, vontade de melhorar

Quer seja mal da mente, do corpo

Do coração ou da alma

Esteja em fase aguda da dor

Até mesmo se já se tornou mal crônico

Emplastros diversos para aquecer a pele

Relaxar a musculatura, aliviar pesos

Chás de folhas amargas

Abraços de pessoas doces, colinho

Fármacos variados, repouso absoluto

Atividade intensa, banho de sais ou de cachoeira

Chorar até se esvaziar, lavar a alma

Sorrir até a barriga doer, correr até se cansar

Viajar sem rumo, sem destino

Amar sem medidas…

O tempo?

Ele passa, mas esse movimento sozinho nada cura

Ele é apenas o fluido onde o mal se dissolve e se esvai

Sob a ação incessante do paciente e dos “medicamentos”

Quanto mais densa a dor, mais fluido exige…

Do que você precisa se curar?

Qual seu mal? Qual sua cura?

Alda M S Santos

Via parenteral

VIA PARENTERAL

Queremos vida leve e saudável

Para os males, cura rápida, focal e indolor

Medicações injetáveis intramusculares ou intravenosas

Rápida absorção e efeito, sem volta, eficácia garantida

Não temos paciência para tratamentos homeopáticos, vida homeopática

Via oral, doses leves, constantes, resultados lentos e demorados

Queremos alopatia na veia, doses cavalares, entorpecentes

Que nos tire a dor, que nos afaste o mal, que nos abra sorrisos

Que nos anestesie de qualquer dissabor, que apague o que machuca com precisão

Sequer nos preocupamos se nos tornamos dependentes

Ou nos matamos com o “veneno” que deveria nos curar…

Alda M S Santos

Quero voltar para casa

QUERO VOLTAR PARA CASA

Triste ver quem foi sempre “atividade” e amor

Presença, sorriso e luz definhar dia a dia

Aparelhos de todo tipo mantendo a “vida”

Respiram, se alimentam, excretam por aparelhos

Estão vivos!

Gemem, roncam, dormem, choram, desconhecem a todos

Memórias antigas, arrependimentos, saudades

Não existe mais o hoje, o amanhã, apenas a carga do ontem

Leve ou pesada, é a que carregam…

Leve ou pesada são a “carga” de alguém

Será que sonham?

Se pudessem escolheriam ir embora?

Deveríamos poder dizer “cansei de brincar, vou para casa”

Essa brincadeira já está machucando, perdeu a graça

Quero pegar o caminho de volta, ou pra frente, tanto faz

Desde que me leve de volta para casa, para o aconchego do Pai

Uma escolha que não nos é permitida

Nem para conosco mesmos, sem sermos “interditados”

Nem para com aqueles que amamos

Sem sanções legais, religiosas, espirituais, emocionais, psicológicas

Deveríamos poder sair de campo, do jogo

Enquanto ainda pudermos escolher, sem manchas no “currículo”, sem humilhações

Escolher a hora do apito final, humanamente, mesmo no zero a zero

Quero poder escolher a hora de voltar para casa!

Alda M S Santos

Um dia de cada vez: só por hoje!

UM DIA DE CADA VEZ: SÓ POR HOJE!

A máxima dos grupos de ajuda

Das pessoas que sofrem qualquer mal

Quer seja mal físico, emocional, dependência química, vícios, é:

Um Dia De Cada Vez.

Só por hoje!

Só por hoje vou ser forte!

Só por hoje vou resistir!

Só por hoje não vou querer!

Só por hoje terei coragem!

Só por hoje não terei saudade!

Só por hoje não vou sentir medo!

Só por hoje não vou sofrer!

Amanhã será novo dia e novamente: só por hoje.

Assim fica mais fácil vencer qualquer dor, tristeza, sofrimento, saudade…

Pensar em lutar contra algo para sempre é tempo demais!

E se houver recaídas, tudo parte novamente daí.

Humanos erram, caem, levantam e seguem…

Humanos acreditam, mesmo sofrendo!

Por isso, quase sempre vencem…

Alda M S Santos

É de adoecer!

É DE ADOECER!

O que é capaz de nos adoecer?

Um vírus que nos manda pra cama,

Uma bactéria mais resistente que a gente,

Um fungo insistente e causador de males e alergias?

Sim! Tudo isso!

Doenças curáveis com drogas alopáticas ou homeopáticas.

Mas e quando o mal dói,

Corrói, invade, aperta,

Você sabe que ele existe,

Porém, não sabe onde ele nasce,

Tampouco como se alastra do corpo para a alma,

Ou da alma para o corpo?

E o principal: não encontra a medicação adequada,

Ou um modo de curá-lo?

Até onde a Ciência é capaz de ajudar?

Quando a ajuda está no fundo de nós mesmos?

Alda M S Santos

Sentimentos crônicos

SENTIMENTOS CRÔNICOS?

Nos consultórios médicos, quase sempre há diagnóstico da cronicidade de alguns males:

Doenças autoimunes, cardíacas, digestivas, respiratórias, alergênicas, circulatórias, entre outras.

Muitas doenças são agudas, ou seja, têm um pico de ação dos antígenos.

Nessa fase, os sintomas incomodam mais: dores e desconfortos vários.

Após um tempo ou tratamento com medicamentos, passam.

As doenças crônicas são aquelas que não têm cura, é preciso aprender a conviver com elas.

Há alguns medicamentos ou mudanças de hábitos que podem ajudar nesse convívio.

Porém, os doentes nunca irão se livrar do mal.

Penso que também possuímos alguns sentimentos que são agudos em nós:

Raiva, euforia, paixão, tristeza, decepção, revolta, mágoa, ciúmes…

E, como tal, não podemos permitir que se tornem crônicos. Podem matar!

Sentimentos crônicos são aqueles com os quais não podemos nem devemos deixar de conviver:

Felicidade, compaixão, solidariedade, alteridade, caridade, amizade, amor…

Nem sempre trarão alegrias, nem sempre será fácil.

Podem também causar dor e reações adversas, particularmente o amor, quando não correspondido.

Porém, ainda que fique bem guardadinho dentro de nós, que tenha suas fases agudas e retorne para seu cantinho,

Sempre fará bem, sempre, especialmente a quem o sente.

Alda M S Santos

 

 

 

 

Processo de Cura

PROCESSO DE CURA

Todos sabemos o quanto dói uma ferida aberta

Um mal ativo, em fase crítica, aguda.

Todo cuidado é pouco para evitar uma patologia permanente.

Precisamos limpar, fazer curativos, trocá-los

Usar cicatrizantes, anti-inflamatórios, antibióticos…

Nessa fase vai doer muito, sangrar.

Não podemos ser masoquistas e ficar cutucando.

Serão necessários técnica e perícia ao tocar.

Depois seca, cicatriza, fica uma marca e apenas uma lembrança.

Porém, se não se passar por esse processo de cura,

O mal pode se tornar crônico e sofrermos com ele a vida toda.

Com os males emocionais dá-se o mesmo.

Ferida aberta na alma não se mexe, se trata.

Com medicamentos ora suaves, ora fortes, 

Com amor, com carinho, com perseverança.

Com amigos, com família, com fé.

Leve o tempo que levar,

As cicatrizes deixadas nos lembrarão que superamos.

Pode ser que se torne um mal crônico

Daqueles que tenhamos que aprender a conviver

Como uma hipertensão ou uma saudade

Que exige tratamento de controle a vida toda.

Vez ou outra se tornam ativos, agudos e exigem de nós força

E medidas à altura.

Assim são os males crônicos.

Assim é a vida…

Alda M S Santos

Blindagens

BLINDAGENS
São tantos os projéteis, armas, mísseis
Inúmeros os morteiros inimigos, fogo amigo
Petardos de força inexplicável
Minas terrestres, bombas de gás
E as blindagens cada dia mais comuns
Acabam isolando do exterior
Nada deixam entrar, nada deixam sair
Tornamo-nos tão duros e secos
Que, com ou sem blindagem, somos a mesma coisa
Inertes e alheios ao que se passa além de nós.
Quanto mais frágil o ser
Mais forte faz-se necessária a blindagem
Isolados do mundo, da vida
Morremos por doença autoimposta
Morremos por asfixia emocional.
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: