A PORTEIRA DA VIDA
Nem todo dia o sol brilha na minha janela
Muitas vezes não está convidativo lá fora
Não quero sair, não quero levantar, quero ficar aqui
Tentando encontrar a luz que falta lá fora
Num cantinho qualquer dentro de mim
Mexo, remexo, troco as coisas de lugar
Escorrego em lugares em que já caí
Retorno, choro, saio logo dali
Busco espaços onde o amor mantém a vitalidade
Alguns são só saudade, outros em plena atividade
Tropeço em gargalhadas, me aconchego em abraços
Refaço algumas trilhas, aperto alguns laços
Encontro com o que já deixou de ser, aceno em paz
Outros prefiro nem passar perto, cicatriz nova ainda
Rolo para lá e para cá, olho de novo a janela
Um solzinho sem vergonha ameaça aparecer
Quer saber? Vou ficar por aqui hoje…
Assim que estiver menos nebuloso faço acontecer
Acendo meu próprio sol, abro o sorriso
Visto- me de esperança, meu vestido mais colorido
E abro a porteira da vida, ela precisa ser bem vivida…
Alda M S Santos