Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

machucados

Ferida

FERIDA
Aquela ferida que todos carregamos
Causada por um machucado doloroso
Relíquia de um tombo inesquecível
De bicicleta, da escada, do galho de uma árvore
De um sonho, do alto de uma esperança, de uma ilusão
Escorregando de um colo ou despencando de um coração qualquer
Ferida que está disfarçada, coberta por uma cicatriz
Para não chamar a atenção dos curiosos
Para não assustar os mais sensíveis
Para que se evite cutucar
Para que não sangre tudo outra vez
Para que cure, se cure, se cuide
Cicatrizes servem para nos lembrar que sobrevivemos
E que saudade é a bonita cicatriz da vida que doeu, sangrou
Que nos ensinou pela alegria e pela dor
Que ela pode ser bela
Mesmo com nossos machucados…
Alda M S Santos

Ferida

FERIDA

Aquela ferida que todos carregamos

Causada por um machucado doloroso

Relíquia de um tombo inesquecível

De bicicleta, da escada, do galho de uma árvore

De um sonho, do alto de uma esperança, de uma ilusão

Escorregando de um colo ou despencando de um coração qualquer

Ferida que está disfarçada, coberta por uma cicatriz

Para não chamar a atenção dos curiosos

Para não assustar os mais sensíveis

Para que se evite cutucar

Para que não sangre tudo outra vez

Para que cure, se cure, se cuide

Cicatrizes servem para nos lembrar que sobrevivemos

E que saudade é a bonita cicatriz da vida que doeu, sangrou

Que nos ensinou pela alegria e pela dor

Que ela pode ser bela

Mesmo com nossos machucados…

Alda M S Santos

Cicatrizes reabertas

CICATRIZES REABERTAS

Cicatrizes aparentes costumam ser grosseiras, ásperas, rígidas

Cicatrizes escondidas são mais finas e delicadas

Ambas demonstram força e fragilidade

Fragilidade por ter se machucado,

Força por ter sobrevivido

Mas ambas deixam o indivíduo com medo do risco,

Sem coragem de andar “descalço”

Cicatriz reaberta demora mais a fechar,

Cicatriz reaberta é a dor de hoje potencializada,

Pela dor de ontem no hoje,

Pelo medo do hoje no amanhã!

Alda M S Santos

Golpes

GOLPES

Golpes: ensinamentos que só compreenderemos 

A importância, o valor, a necessidade,

Quando nos levantarmos e olharmos para trás,

E vermos que, apesar de terem machucado muito e não doerem mais, 

Nos tornaram quem somos:

Mais fortes, mais resistentes, mais sábios,

E, quem sabe, até mais felizes?

Enquanto isso, é se firmar e aguardar,

A sucessão de golpes se esgotar, 

Tal qual flor que tudo recebe e sempre volta a brotar, a encantar…

Alda M S Santos

Atadura

ATADURA

Não importa se o problema é:

Tontura, amargura, casca dura,

Assadura, lonjura, chatura, má postura,

Feiura, loucura ou cabeça-dura

A atadura que cura é uma só, criatura:

O AMOR: sem frescura!

Alda M S Santos

Não há vacinas!

NÃO HÁ VACINAS!

Entre tantos os machucados e feridas

Das mais superficiais até as mais profundas

Daquelas que ficam secas até as que mais sangram

Das que causam dor aguda ou crônica

Que precisam suturas ou anestesias

Que causam pranto ou, num canto, solidão

Além do medo de se machucar novamente

Entre todos eles, o machucado mais doloroso

A ferida mais difícil de cicatrizar

Que demanda mais tempo e coragem

É aquela causada pelo (des) amor

Simplesmente, porque é de onde a gente menos espera o golpe

Pega-nos desprevenidos, distraídos, confiantes.

Aí atinge fundo, rasga, mutila, deixa marcas, cicatrizes.

Mas quando se convalesce, se recupera, fica mais forte

E recomeça tudo… Novos riscos!

Contra o (des)amor não há vacinas!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: