Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

fantasias

Faz de conta

FAZ DE CONTA

A arte de fazer de conta é essencial 

As crianças, sabiamente, enfrentam o real através dela

Caracterizar-se, lançar-se a uma época, 

Obter asas para alçar voos,

“Ser” outro alguém, vez ou outra,

É uma maneira eficaz e inteligente de tornar possível, o impossível

De fazer tolerável, aquilo que é doloroso…

De extrair forças do que parece frágil.

Alda M S Santos

Aceita uma máscara?

ACEITA UMA MÁSCARA?

Nós, humanos, temos o dom do aprendizado constante

Nascemos aprendendo e vamos fazê-lo até a derradeira hora

Mesmo os mais turrões.

Eu mesma tenho aprendido muito nos últimos tempos

Nos últimos meses bati meu recorde

Após esse carnaval, então, aprendi a última

Vendo tanta gente retirar as máscaras de foliões

E recolocar as máscaras do dia-a-dia

Esconder-se atrás de máscaras gélidas, sorrisos botox

Percebi o quanto elas são úteis em várias ocasiões

Podem evitar certos desgastes e estresses.

A máscara do sorriso, da satisfação, do “dane-se”

A máscara da simpatia, a máscara da aprovação…

Nunca fui dessas! Só de olhar para mim percebem o que vai lá dentro.

Mas isso traz sofrimento, angústias, tristezas.

Nem sempre estar abertos e de cara lavada nos livra do mal.

É a munição que o inimigo usa contra nós.

Para os jogadores, mostrar todas as cartas não é muito inteligente.

Ao verem meu rosto e minhas palavras viam o baralho inteiro.

Viam!… A partir de hoje usarei algumas máscaras e maquiagens.

Disfarçar alguns sentimentos, bons ou ruins, é autopreservação.

Não se assustem! Provavelmente demorarei a me adaptar a elas.

Só sairei às ruas quando estiver bem “trajada”.

Quem precisa que eu use não notará diferença.

Quem realmente me conhece não será “enganado”.

Estarei “escondida” em meus olhos, em meu sorriso.

Neles não cabe máscara alguma.

Quem se ocupar de olhá-los merecerá a verdade.

Alda M S Santos

Baile de Máscaras

BAILE DE MÁSCARAS

O quanto de nosso modo de ser pode ser captado pelo outro? 

Tantas máscaras, tantas maquiagens, perucas, fantasias…

Escondem olhares, disfarçam sentimentos, escondem o essencial

Em pleno carnaval é aceitável.

Porém, a quarta-feira de cinzas chega e o desfile de máscaras e fantasias continua.

Para quê? Autoproteção? 

Quem consegue ver através de tantas camadas?

Não superficialmente, mas perceber a essência? 

Somos sensíveis e observadores o bastante? 

E aqueles tão transparentes?

Quantas críticas! Autenticidade é crime!

Pedras e pedras são lançadas!

Críticas, juízos, muitas opiniões! 

Quase sempre, o número de pedras nas mãos dos “carrascos” é proporcional às máscaras que usam.

Para mim, carnaval dura quatro dias, se tanto.

Fora isso, cara lavada.

“Pedras? Junto todas. Um dia vou construir um castelo!”, já dizia Fernando Pessoa.

E completo: guardarei as lágrimas também.

Podem ser úteis na construção.

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: