LIBERDADE X PRISÃO

Ser sempre o “certinho”, o exemplo apontado a seguir, por mais prazeroso que pareça, é prisão.

Ser sempre o “errado”, por pior que todos o encarem, aquele de quem não esperam muito, é liberdade. 

Liberdade ou prisão? 

O certinho está proibido de qualquer deslize: “nossa, o fulano?”

O errado, mesmo chacota, pode acertar vez ou outra: “beltrano fez isso, parabéns”?

Entre erros e acertos, bom mesmo é ser “normal”.

Nem tão livre, nem tão preso à opinião dos outros.

Se se erra ou se acerta, quase ninguém nota

Sem grandes aplausos, sem grandes decepções. 

Apenas liberdade de ação e contas a prestar perante a própria consciência.

Isso já dá trabalho bastante. 

Liberdade é caminho que se trilha sozinho

Liberdade é conquista diária! 

Alda M S Santos