Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

ciclo da vida

Como criança

COMO CRIANÇA

Quisera ter a almejada e permanente confiança
Aquela que há no sorriso de uma criança
De que será firmemente  segurada
Quando for para o alto lançada

Como criança queria não temer chorar
Ou poder falar tudo que machucar
Questionar o que não está tão legal
E buscar uma brincadeira que não faça mal

Quisera saber derrubar os muros do coração
Pedir ajuda se o joelho esfolado doer de montão
E buscar colo, arrego, quando pedir a emoção

Ter a agilidade infante de escalar a árvore no quintal
A inocência e alegria de se molhar num temporal
E saber que tudo passa,  como todo vendaval

Alda M S Santos

No banco de trás 

NO BANCO DE TRÁS

Nossa vida passa por momentos de alternância, muitas vezes sem percebermos. 

Nossa maneira de lidar com esse revezamento natural determina nossa paz diária.

Numa fase, temos o controle de nossas vidas, estamos ao volante, guiamos para onde queremos, do jeito que queremos.

Nossos filhos viajam atrás, confortáveis em suas cadeirinhas, ou já sentados no banco de trás. 

Aceitam o destino por nós escolhido. Confiam, se entregam, observam, aprendem. 

Sonham com o dia em que ocuparão o banco do carona ou, melhor ainda, do motorista. 

E chega a hora em que eles passam para a frente, nós passamos para o banco de trás. 

Aí muita sabedoria é necessária. De motoristas e passageiros. 

Passageiros precisam confiar no novo motorista, nos ensinamentos que eles receberam e relaxar. Não interferir tanto. 

O “controle” de certa forma está com eles. 

Motoristas necessitam saber que os passageiros, outrora motoristas, ainda que estejam menos ágeis ou espertos, não desaprenderam o que sabiam. Ainda podem ensinar algo.

São necessários aqui muita tolerância, respeito, gratidão.

Essa relação acontece dentro dos veículos e fora deles. 

Pais e filhos precisam reconhecer que à medida que crescem e envelhecem a situação pode se inverter ou, no mínimo, mudar. 

Aceitar que em qualquer idade todos podem aprender, podem ensinar. 

Num dado ponto notamos que não há supremacia de um sobre o outro, apenas admiração e amor. 

E um pouco de bom humor também não faz mal a ninguém. 

Sabemos que chegará o instante em que nem estaremos mais nesse carro. 

Outras crianças estarão no banco de trás e o ciclo recomeçará. 

Boa viagem! 

Alda M S Santos 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: